Como as companhias decidem a maioridade para liberar alcoólicos em voos internacionais?

Depois de fazer as malas, ir até o aeroporto e passar pelos processos segurança, você merece relaxar. Para muitos, uma boa maneira é aproveitar o voo para apreciar um vinho ou cerveja. Uma boa ideia, não? Mas será que as comissárias irão te atender?

Parte-se do princípio que, se você pagar pelo que consumir e for maior de idade, sim. Mas quando se está a mais de 11.000 metros de altura, em espaço aéreo internacional, onde nenhum país reivindica a jurisdição, qual a resposta?

Qual a maioridade? 

Para ter uma resposta a Condé Nast Traveler contatou diversas companhias aéreas, tanto domésticas quanto internacionais. Todas elas amarraram a maioridade às leis do país de origem da companhia aérea.Por exemplo, a American Airlines aderem à lei dos EUA. Delta, United, Alaska Airlines, Virgin America, Southwest, JetBlue, Spirit e Allegiant também estabelecem a idade de 21 para servir álcool aos passageiros.

Os menores limites de idade são encontrados em companhias aéreas baseadas no exterior. A WOW Air,a companhia aérea islandesa, relata que a idade de beber é de 20 anos, como na Islândia. Não importa se o avião está partindo dos EUA ou de uma capital européia.

A mexicana Interjet, possui uma política similar com a das companhias brasileiras. Como em terras mexicanas a maioridade é 18 anos, os voos seguem a mesma regra. Assim também procedem outras empresas como a Easyjet, Emirates, Qantas e British Airways. Lembrando que se julgarem necessário, as comissárias podem solicitar um documento de identificação ao passageiro.

Menores de 18 anos bebendo?

Isso por acontecer, sim! Como exemplo podemos citar a Air Canada, que deseja apenas todos tenham um bom vôo! Apesar de sua política oficial sustentar que a tripulação não deve vender ou dar álcool a menores de 18 anos, a companhia  faz exceções em vôos internacionais. Neles, passageiros menores de 18 anos podem desfrutar de uma bebida alcoólicas desde que haja o consentimento dos pais ou responsável.

Fonte: Condé Nast Traveler

Confira outras matérias:

Be First to Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *